sábado, 07 de dezembro de 2019
FALTA DE CHUVA

Produtores da região de Goioerê já pensam em replantar soja

09/10/2019
  • A+ Aumentar Fonte
  • A- Diminuir Fonte

                            Os produtores rurais do Paraná já se preparam para fazer o replantio da safra de soja. Isso porque as chuvas deste fim de semana, que muitos agricultores esperavam, não foram suficientes. 

                            “Tem muita gente comprando de novo a semente para poder fazer o replantio”, comenta o vice-presidente da Aprosoja-PR, o goioerense Zezé Sismeiro. Segundo ele, áreas grandes da oleaginosa devem ser semeadas novamente, mas agricultores, com receio de nova falta de chuvas, só deverão se arriscar novamente quando as precipitações forem suficientes.
                            É o caso do produtor Edson Cazaqui, de Assis Chateaubriand (PR), que realizou os trabalhos de campo em 10 de setembro e espera replantar uma área de 20 hectares. Ele comenta que na região, há pelo menos 20 dias as chuvas não chegam. “Vou ter que refazer o plantio, mas agora vou esperar chover bem”, afirma.
                            Para a Aprosoja-PR, o agricultor só deve voltar para o campo quando a previsão do tempo indicar precipitações de no mínimo 40 milímetros e espaçadas em um determinado período de tempo. “O produtor só vai voltar para a roça quando tiver previsão de boa chuva e, talvez, esperar realmente chover. Precisamos de uma chuva mais espaçada, pois se ela vier em apenas uma hora, o solo não absorve e ainda pode causar erosão”, explica.
.
Esperança
.
                            O produtor que ainda não está contando com um replantio aposta no clima para salvar parte da soja que ainda pode vingar. Em Quarto Centenário (PR), Eduardo Moratelli, gerente da Fazenda Boa Esperança, estima que a safra consiga aguentar mais uma semana sem chuvas. Na região, as precipitações dos últimos quinze dias, quando foi realizado a semeadura, conseguiram ajudar parte da soja, mas ainda de maneira bastante desuniforme.
                            “Alguns grãos pegaram umidade e outros não, estimamos que a soja vai nascer toda falhada”, comenta Moratelli. Caso não chova na área, ele calcula que dos 1.100 hectares semeados, 600 hectares terão que ser replantados, gerando custo entre R$ 700 a R$ 1.000 por hectare.
                            Em Maripá (PR), a situação é parecida. Na propriedade do produtor Luis Paulo, as lavouras são marcadas por soja já emergida e outras não. Algumas das que vingaram, sofreram com o tempo seco e a umidade no solo não foi suficiente.
                            “Se não chover nos próximos dias, e a temperatura volta a subir, vai dar replantio sim”, afirma. (Canal Rural).