domingo, 14 de abril de 2024
CRÔNICA

Vale de ossos secos

17/03/2023
  • A+ Aumentar Fonte
  • A- Diminuir Fonte

Pr. Pedro R. Artigas
Igreja Metodista

Estamos no quarto domingo da Quaresma, e o texto de Ezequiel capítulo 37 nos chama a atenção. Seus três primeiros versículos começam a nos contar uma visão do profeta, que no mínimo que podemos dizer é perturbadora. Vejamos o texto então: “Veio sobre mim a mão do SENHOR, e ele me fez sair no Espírito do SENHOR, e me pôs no meio de um vale que estava cheio de ossos. E me fez passar em volta deles; e eis que eram mui numerosos sobre a face do vale, e eis que estavam sequíssimos. E me disse: Filho do homem, porventura viverão estes ossos? E eu disse: Senhor DEUS, tu o sabes”.
Esse texto do profeta leva-o a um vale cheio de ossos sequíssimos, e fala ao profeta que ande em volta dos ossos, e viu também que o vale estava cheio desses ossos. E então Deus diz ao profeta que profetize sobre esses mesmos ossos, e diga: ossos secos, ouçam a palavra do Senhor. Creio que podemos falar a mesma coisa no atual momento, em que tudo parece estar entrando em parafuso, onde a palavra do Senhor não é mais ouvida e se ouvida não é mais acreditada. As pessoas ao se tronarem tecnológicas acreditam que esse modernismo irá substituir a fé, ou que o Deus cristão é algum mito, pois essas mesmas pessoas não conseguem acreditar no que é fé, pois segundo suas palavras elas não provam a fé, elas não veem nada de concreto no conceito fé.
Acreditam no que podem tocar e que seus olhos podem contemplar. Acreditam que a juventude é eterna, e nada nunca irá atingi-las, que tudo podem fazer que não há mais regras, e que elas fazem as regras de acordo com as situações apresentadas.
Na semana que passou três jovens adolescentes pias no seu entendimento, criticaram uma senhora de 40 anos que havia entrado na faculdade para cursar biomedicina, dizendo que ela devia estar aposentada e não tomando o lugar de uma aluna melhor qualificada, leia-se adolescente como elas.
O problema do acontecimento era que não esperavam a repercussão que desencadeou, elas acreditavam que estavam representando o pensamento lógico de todas as colegas e adolescentes iguais. E de repente se virão sozinhas, mas o estrago já havia sido feito. A Universidade montou um processo, elas tiveram que contratar advogado, os pais foram responsabilizados pelas atitudes das filhas. Um jornal on line que li, dizia que as adolescentes retratavam o ensinamento que haviam recebido em casa de seus pais. Outro dizia que o muito dinheiro influenciava o comportamento. Não houve outra alternativa senão a de trancar a matrícula e sair da Universidade.
Vejamos que o vale está cheio de ossos secos, e a palavra do Senhor é clara, vejamos o versículo 11: “Então me disse: Filho do homem, estes ossos são toda a casa de Israel. Eis que dizem: Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança; nós mesmos estamos cortados”. Podemos fazer uma paráfrase desse texto, e dizer “estes ossos são toda a casa do Brasil”. Nos afastamos de Cristo, frequentamos a Igreja como club social, ou club de moda pois ali apresentamos nossa vestimenta comprada na loja mais cara, e fazemos questão de mostrar a etiqueta da peça, apresentamos e estacionamos no local mais visível da igreja para apresentar nosso carro novo. Mas Cristo fica para depois. Ensinamos isso aos nossos filhos e ficamos chocados quando o mundo que está a nossa frente nos confronta com a atitude que esse mesmo mundo nos ensinou. Se o padre ou o pastor fala de pecado, ele não nos serve, se o padre ou o pastor é preto mostramos nosso mais clássico racismo, e procuramos de uma forma ou de outra mandá-lo embora. Se o padre ou pastor é velho, nos perguntamos o que pode ele nos ensinar se o mundo dele é outro, mais antigo. Terminando, nosso Deus tem mais de muitos anos, e como nos fala o profeta Isaías capítulo 43, versículo 13: “De eternidade em eternidade, eu sou Deus. Ninguém há que possa impedir-me de fazer o que faço.” Por isso reveja seus conceitos e volte ao Senhor enquanto é tempo, e não esteja mais no vale de ossos secos, para que o profeta profetize sobre sua vida. Shalom.