quarta, 18 de setembro de 2019
INUSITADO

Foragido tenta forjar morte através de foto com manchas falsas de sangue na camisa

12/06/2019
  • A+ Aumentar Fonte
  • A- Diminuir Fonte

                                   A Polícia Civil de Recife está à procura de dois homens foragidos que são suspeitos de homicídios e tráfico de drogas em Moreno, no Grande Recife. Um deles, de 29 anos, forjou a própria morte, tirando uma foto deitado com manchas escuras na camisa para enviar à polícia e despistar o trabalho dos investigadores.
                                   De acordo com o delegado Fábio Lacerda, da 13ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o último homicídio cometido por esse homem, identificado como Everson Leonardo Nascimento de Lima, ocorreu em 5 de maio, em Moreno. Desde então, a polícia tenta localizá-lo para prestar depoimento, mas não consegue encontrá-lo.
                                   “Os familiares dizem não saber onde ele está. Já temos um mandado de prisão desde a semana passada, mas não conseguimos encontrar essa pessoa”, afirma.
Durante as investigações, o delegado recebeu, através do WhatsApp, uma imagem do foragido deitado com manchas escuras em uma camisa. Para o delegado, a intenção do homem era encerrar as investigações policiais, mas a morte forjada foi descoberta pelos investigadores do caso.
                                   A Polícia Civil está à procura de dois homens foragidos que são suspeitos de homicídios e tráfico de drogas em Moreno, no Grande Recife. Um deles, de 29 anos, forjou a própria morte, tirando uma foto deitado com manchas escuras na camisa para enviar à polícia e despistar o trabalho dos investigadores.
De acordo com o delegado Fábio Lacerda, da 13ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o último homicídio cometido por esse homem, identificado como Everson Leonardo Nascimento de Lima, ocorreu em 5 de maio, em Moreno. Desde então, a polícia tenta localizá-lo para prestar depoimento, mas não consegue encontrá-lo.
                                   “Os familiares dizem não saber onde ele está. Já temos um mandado de prisão desde a semana passada, mas não conseguimos encontrar essa pessoa”, afirma.
                                   Durante as investigações, o delegado recebeu, através do WhatsApp, uma imagem do foragido deitado com manchas escuras em uma camisa. Para o delegado, a intenção do homem era encerrar as investigações policiais, mas a morte forjada foi descoberta pelos investigadores do caso. (Fonte: G1)