terça, 27 de outubro de 2020
HELVIL

Cérebro e sexo

17/10/2020
  • A+ Aumentar Fonte
  • A- Diminuir Fonte

Tem gente que se gaba de ter peito (peitões, no caso), ou de ter bunda (bundão) e têm muitos desprovidos desses predicados físicos que dizem que é melhor ter cérebro. Mas nos três casos o problema é um só: conteúdo. Das mamas, dos glúteos ou da massa cinzenta.

                       É certo que todos têm cérebro, embora alguns o usem como acessório ou opcional, e não como um item original de fábrica. Mas alguma coisa todo mundo tem na cabeça, já que asneiras não se propagam no vácuo.
                       Também já está comprovado cientificamente que o cérebro para se desenvolver, precisa ser exercitado. Por isso cai bem desde cedo ir logo entulhando um balaio de informação na caixa de pensamentos, mas é bom ir adiantando que não basta o acúmulo de conhecimento, se não souber como utilizá-lo.
                       Em outras palavras, a cultura é o alimento do cérebro, mas tem gente que faz regime ou utiliza alimento errado. Há uma teoria que axé e pagode, por exemplo, murcham o cérebro. Mas o Tonhão acha que deve ser preconceito.
                       O cérebro comanda todo o resto do corpo, logo vai ensinar a quem tem peito ou bunda a utilizar da melhor forma esses atributos. É o cérebro que comanda também o coração, que não passa de um músculo. Logo os amantes deveriam se declarar dizendo “Te amo do fundo do meu cérebro!”. Soa meio falso, mas é o correto.
                       Algumas pessoas dizem que conversam com seus próprios cérebros, como é o caso do Tonhão, e tem hora que ele dá cada palpite infeliz, que era melhor não ter pensado muito.
                       É maldade dizer que a cor do cabelo influencia a qualidade do funcionamento do cérebro, mas Tonhão alerta que é preciso ter cuidado na hora de trocar idéias. Se sentir que o outro é fraco, é sempre bom pedir volta.
Dizem que a inteligência é afrodisíaca. Mais até que os peitões, bundões, bíceps, tríceps e outros atributos menos votados. Uma boa reflexão, então, pode ser considerada como uma masturbação.
                       Já um bate-papo inteligente, daqueles que não dá vontade de parar, é uma relação sexual completa.
Se for com o Tonhão, com orgasmos múltiplos.