terça, 24 de maio de 2022
POLÍCIA INVESTIGA

Corpos de casal que morreu em explosão em Cruzeiro do Oeste estavam abraçados

02/09/2020
  • A+ Aumentar Fonte
  • A- Diminuir Fonte

                                   A Polícia Civil (PC) de Cruzeiro do Oeste trabalha com a hipótese de feminicídio no caso dos corpos encontrados carbonizados nesta segunda-feira (31). Os mortos Clóvis Sanches dos Santos, 43 e Marcilene Aparecida da Silva, 39, haviam sido companheiros e estavam separados. Os dois morreram supostamente em uma explosão de um botijão de gás.

                                   As informações do IML de Umuarama são de que os corpos foram encontrados abraçados. Clóvis, que atualmente trabalhava em uma empresa da cidade, era monitorado por tornozeleira eletrônica e teria desligado o dispositivo por volta das 20h.
                                   Na sequência ele foi até a casa de Marcilene, que era funcionária de um frigorífico. A mulher tinha representado contra ele e um inquérito de violência doméstica havia sido concluído no último dia 10. Ela tinha uma medida protetiva contra Clóvis, que o impedia de se aproximar, por isso a PC acredita que ele tenha desconectado a tornozeleira.
                                   Vizinhos e familiares de foram ouvidos e a polícia tenta montar o quebra-cabeças sobre o que houve. À Polícia Militar (PM), testemunhas disseram que ouviram uma discussão e que Clóvis teria pulado o muro dos fundos da casa de Marcilene na sequência. Momentos depois houve a explosão.
Ainda segundo o 7º Batalhão de Polícia Militar (7º BPM) foi encontrado um botijão de gás no quarto. A mangueira havia sido cortada. “Nós trabalhamos com a hipótese de violência doméstica, um crime de feminicídio. Vamos ouvir familiares e vizinhos, mas ele mesmo já havia dito que assassinou outra ex-companheira. Então trabalhamos nesta linha”, destacou o delegado responsável pelo caso, Isaías Cordeiro.
Os corpos carbonizados foram encaminhados para o Instituto Médico-Legal (IML) de Umuarama e a Criminalística esteve no local da explosão.
                                   Bombeiros controlaram o incêndio por meio de uma janela, cujo vidro quebrou por conta da explosão do botijão de gás. Havia relatos de uma terceira pessoa no local do crime, instantes antes da ocorrência, no entanto a PC não confirma esta informação. (O texto é de O Bem Dito).