sexta, 20 de setembro de 2019
PSICOLOGIA EM FOCO

SINAIS DE BAIXA AUTOESTIMA

17/08/2019
  • A+ Aumentar Fonte
  • A- Diminuir Fonte

A baixa autoestima está intimamente ligada à dificuldade de autoaceitação e à falta de autoconhecimento. Indivíduos inseguros, que possuem dificuldade em aceitar os próprios erros e não conseguem reconhecer e valorizar seus potenciais, desenvolvem um grande medo da rejeição e têm o hábito de se comparar com outras pessoas.
Uma pessoa que sofre de baixa autoestima não se sente capaz de realizar as coisas e, com isso, acaba perdendo inúmeras oportunidades de crescimento em vários âmbitos da vida, prejudicando o próprio desenvolvimento. Confira alguns dos principais sinais da baixa autoestima a seguir:

Sintomas de baixa autoestima
• Hábito de sempre encontrar culpados para seus problemas ou erros;
• Dificuldade de aceitar as próprias limitações;
• Timidez em excesso;
• Medo da rejeição;
• Busca constante por elogios e reconhecimento externo;
• Falta de confiança em si mesmo;
• Tendência à procrastinação e preguiça;
• Hábito de se comparar com outras pessoas;
• Competitividade em excesso;
• Falta de habilidade para lidar com críticas;
• Sensação de incapacidade;
• Necessidade de inferiorizar as pessoas;
• Perfeccionismo;
• Dificuldade para reconhecer as próprias vitórias e conquistas.

Dicas para elevar a autoestima e confiar mais em si mesmo
Desenvolva o autoconhecimento
Para fortalecer sua autoestima é fundamental olhar para si mesmo e se aproximar de sua essência. Quem investe no autoconhecimento torna-se capaz de lidar com as suas características negativas e está sempre tentando melhorá-las. Dessa forma, o indivíduo é capaz de evitar o desgaste gerado pela dificuldade de autoaceitação, pois canaliza sua energia em prol do aprimoramento pessoal.
Pare de se comparar
Entenda que cada indivíduo possui suas próprias características e história de vida. Evite ficar se comparando com os outros e pense que cada um tem o seu momento para realizar, desenvolver e conquistar os objetivos.
Não se cobre tanto
Evite se criticar em excesso e se condenar o tempo todo por suas falhas e dificuldades. Tenha cuidado com o perfeccionismo e com a necessidade de ser sempre o melhor e de agradar o tempo inteiro. Errar é importante e faz parte do processo de aprendizagem de todo ser humano. Reflita sobre seus erros de maneira saudável e procure alternativas para agir diferente da próxima vez, sem deixar que os equívocos abalem sua autoestima.
Foque nos seus potenciais
Quando está focado nos aspectos negativos de suas características pessoais, a insegurança certamente estará presente na rotina e nas relações do indivíduo. Por isso, sempre valorize suas qualidades, realizações e acertos.
Relembre suas conquistas
Ao longo da vida, todos tropeçam e cometem erros. Apesar disso, as realizações também estão presentes. Ao se sentir incapaz e inseguro, portanto, lembre-se de tudo o que já conquistou e orgulhe-se da sua trajetória.
Repense suas crenças
Alguns padrões de pensamento e comportamento podem ser paralisantes na vida de um indivíduo. Perceber quais dessas crenças limitantes o impedem de avançar e realizar determinadas coisas que você gostaria de fazer é fundamental para barrar a insegurança e a sensação de incapacidade. Tente identificar como essas crenças se instalaram dentro de você para, assim, conseguir dissolve-las.

Fontes para Pesquisa
https://www.sbie.com.br/blog/baixa-autoestima-14-sintomas-de-que-voce-esta-praticando-o-desamor/

Camila Lemes Alves
Psicóloga Clínica e Organizacional
Hipnose Clínica
CRP 08/12747
(44) 999706876