terça, 10 de dezembro de 2019
CRÔNICA

Advento, tempo de preparação

02/12/2019
  • A+ Aumentar Fonte
  • A- Diminuir Fonte

Pr. Pedro R. Artigas
Igreja Metodista

Domingo dia 1º de dezembro, iniciamos o período cristão chamado de Advento, e nossas igrejas se cobrem da cor roxa, não em sinal de luto como muitos pensam, mas esta cor dentro da Igreja antes de sugerir luto, morte ou separação, lembra a ansiedade da espera, a ansiedade pela vinda do Messias, pois 400 anos se passaram sobre a terra sem que houvesse palavra profética.
Foi um período onde as pessoas experimentaram pela primeira vez a falta de comunicação com o Deus Vivo e Criador, e viveram um tempo de escuridão, foi um tempo para lembrar que não podemos viver sem a esperança de ouvirmos a Deus e recebermos seu carinho, suas bênçãos e maravilhas.
E é um pouco antes desse tempo que o profeta Malaquias escreve seu livro e nos transmite palavras de cuidado, de lembrança e de exortação, porque o povo hebreu havia saído do exílio babilônico e voltado para sua terra e ao chegar encontraram tudo em ruínas e tiveram de reconstruir o Templo para adoração ao Senhor. Foi um tempo de prosperidade, pois eles tinham esperança: esperança de paz, esperança de existirem enquanto povo em sua própria terra, com seu próprio Deus.
Então com o passar dos anos e com o esquecimento gradual de sua volta triunfal, o brilho da boa vida também esmoreceu. A seca ameaçou o sustento dos fazendeiros, as diferenças de classe cresceram, os ricos começaram a oprimir os pobres, com conivente impunidade. À medida em que as condições sociais pioravam, o povo começou a temer que seu Deus favorecesse os que viviam contra a lei, pois viam que as fortunas dos desonestos prosperavam, enquanto as safras dos justos minguavam nos campos.
O profeta Malaquias renovou a esperança de seu povo através da promessa de que o Senhor retornaria ao Templo. Os sacerdotes seriam purificados e suas oferendas seriam aceitas pelo Senhor. Mas, suas palavras eram de advertência, ao perguntar: “Quem pode suportar o dia da sua vinda?” O povo não deveria ser negligente em sua espera; ao contrário, deveriam se preparar para o fogo que o purificaria, como purifica ao ouro e à prata.
Como cristãos, também somos um povo à espera do Senhor em momento de dificuldade. Estamos na expectativa da volta do Senhor e na expectativa da evidência de Deus em nossas vidas diárias. Estaremos nos sentindo preparados para a volta de Deus enquanto esperamos? Estaremos prontos para sermos purificados como o ouro e a prata? São perguntas que devemos responder. E se nossa resposta for negativa, estamos no tempo de espera, é momento de nos aprontarmos para a chegada do nosso Senhor, enquanto temos tempo. Shalom.