sábado, 13 de julho de 2024
TERÃO DE DEVOLVER R$ 88 MIL

Brito da Saúde, Beto Costa e mais três são condenados por improbidade administrativa

09/07/2024
  • A+ Aumentar Fonte
  • A- Diminuir Fonte

Em sentença assinada pela juíza de direito Lívia Simonin Scantamburlo na última sexta-feira, 5, o ex-prefeito de Goioerê Beto Costa, o ex-secretário de Saúde Adilson de Brito, a ex-secretária de Fazenda, Gisele de Camargo Kloster, e os ex-diretores Karen Lanbein Cavalheiro e Aparecida Katayama foram condenados por improbidade administrativa e tiveram seus direitos políticos suspensos por cinco anos e a devolverem aos cofres públicos valores estimados em R$ 88 mil. Cabe recurso à sentença.

CLIQUE AQUI E RECEBA NOTÍCIAS DO GOIONEWS EM SEU WHATSAPP

A denúncia do Ministério Público que foi parcialmente acatada relata que cheques emitidos pelo ex-prefeito Beto Costa e pela então secretária de Fazenda, Gisele de Camargo Kloster, eram sacados em dinheiro pela servidora Karen e colocados em um cofre na Secretaria, a fim de realizar adiantamentos de viagens, que eram autorizados por Adilson de Brito e Aparecida Katayama, mas que supostamente eram utilizados em despesas que nada tinham a ver com o serviço público.

Conforme o MP, não havia fiscalização sobre quem tomava o dinheiro a título de adiantamento e nem foi possível identificar todos os gastos realizados com tais adiantamentos.

A juíza Lívia Simonin Scantamburlo acatou parcialmente a denúncia e condenou os cinco réus por improbidade administrativa, aplicando a pena de perda de direitos políticos por cinco anos (com exceção da ré Aparecida Katayama) e ressarcimento dos cofres públicos dos prejuízos supostamente causados, da ordem de aproximadamente R$ 88 mil.

A decisão teve repercussão nos meios políticos de Goioerê e gerou muitos comentários nas redes sociais porque Adilson de Brito, o Brito da Saúde é pré-candidato a vice-prefeito de Goioerê.